Estruturas Portuária

Porto da Azenha do Mar, São Teotónio

O porto da Azenha do Mar situa-se a cerca de uma dezena de quilómetros a Sul do da Entrada da Barca. A costa a Norte, entre a povoação da Zambujeira do Mar e a da Azenha do Mar, é de contorno irregular e entrecortada por algumas praias com solo de areia: Carvalhal, Machado, Asseiceira ou da Amália, areal que se segue à Ponta dos Castelos Velhos e que constitui uma referência para os pescadores.

Na base da falésia onde nasceu a Azenha do Mar situa-se o porto, numa pequena angra de solo pedregoso, de “rebolos”, areia de cor negra e pontas rochosas.

Pescadores e recolectores sazonais utilizaram uma reentrância situada imediatamente a Norte. Ali construíram cabanas para abrigo e plataformas assentes em estacas de madeira para proteger os barcos em dias de tempestade e de mar agitado. Na altura da safra, nos meses de verão, permaneciam neste local. Chegado o Inverno regressavam às terras de origem, como Odeceixe, São Miguel, Igrejas, Zambujeira do Mar, entre outras.

A Sul do espaço onde se encontram as instalações do porto existe uma depressão, onde conflui o barranco da Ribeira da Azenha, separada por uma ponta rochosa, na qual assenta o atual molhe Sul.

Molhes, rampa e apoios de pesca

O porto da Azenha do Mar é protegido por dois molhes, um a Norte e outro a Sul, reforçando a proteção natural oferecida pelas rochas: o molhe Norte é uma muralha corrida de cerca de cinquenta metros de comprimento e metro e meio de largura, terminando numa rocha alta à entrada do porto; o molhe Sul é formado por três paredões, preenchendo os intervalos menos elevados de uma rocha poderosa, numa extensão de cerca oitenta metros.

Os barcos não fazem uso de qualquer fundeadouro ou amarração porque, mesmo quando se encontram ao abrigo dos molhes, continuam expostos a vagas de oeste. São sempre varados na rampa, para onde são puxados por um guincho mecânico que se encontra dentro de uma casota, ao lado do edifício da lota.

A rampa é feita em cimento, correndo paralela à arriba na maior extensão e, no final, inclina na direção do mar. Nesta parte estão instaladas travessas, troncos de eucalipto cortados longitudinalmente, que se destinam a proteger as quilhas e os costados, facilitando a saída e entrada das embarcações.

Na segunda metade do ano de 2015, o porto da Azenha do Mar estava em obras com o objetivo de o dotar de uma nova rampa e de um cais para barcos de recreio no lado Sul.

O Porto de Pesca da Azenha do Mar, em São Teotónio/p>

Embarcações

Usam este porto barcos de pesca comercial, cada um tripulado por dois pescadores, familiares ou companheiros, e ainda uma lancha destinada a atividades de recreio.

Lota e outras construções

O edifício da lota está instalado no cimo da rampa, possuindo câmaras frigoríficas para o pescado e para o gelo. Neste local, o pescado é pesado e registado. Para ser leiloado, o pescado segue de imediato para outras lotas próximas, de acordo com o que for mais conveniente aos pescadores (Entrada da Barca, Odeceixe, Arrifana). Ao cimo do porto, já ao nível da povoação, existem duas fiadas de construções, em conjuntos de cinco e de quatro edifícios, que formam os armazéns e o logradouro comum dos pescadores. A distância em relação ao porto não favorece a concentração dos trabalhos em torno das artes de pesca neste local. Muitos destes profissionais preferem fazer os trabalhos de limpeza das artes, como desemalhar o peixe, safar as redes, limpar os covos na rampa, nos próprios barcos, em dependências que têm junto às suas casas ou ainda em antigas barracas de madeira, que noutro tempo serviam de habitação.

Numa destas barracas foi instalada a Associação Cultural e de Desenvolvimento de Pescadores e Moradores da Azenha do Mar, criada em 2010. Esta Associação tem vindo a dinamizar desde 2014 um projeto de comercialização do pescado – o Cabaz do Mar.

Na povoação da Azenha do Mar, cujas ruas têm nomes de peixes, na área sobranceira ao porto, existe um café com esplanada, que tem um logradouro, virado para o mar, onde os pescadores costumam ir ver o estado do mar e o porto. Nesta área estão estabelecidos, também, um restaurante, uma loja de artigos de pesca e navegação e um estaleiro de construção naval, atualmente especializado em barcos de fibra.

Pesca, apanha de marisco e de algas

Em toda esta costa pratica-se a apanha de percebes e ouriços, bem como a pesca à linha a partir das rochas, atividades que estão sujeitas aos regulamentos da área protegida do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

No passado, até cerca de 2006, para Sul, fez-se a apanha de algas na costa da Azenha do Mar para Sul.

Os pescadores profissionais usam aparelhos de anzóis para diversas espécies de peixe, redes de enredar e de emalhar fundeadas, covos e alcatruzes para a captura de polvo.